"*RÁDIO SOTELO*"

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Os dons do Espírito Santo 


 

Jesus, antes de ir para o Céu, prometeu:

Mateus 28: 20
?Eis que estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos.?

? Como estará Jesus conosco? Pelo ministério do Espírito Santo!

A Bíblia afirma que Deus deu, através dos dons espirituais, uns para apóstolos, outros para profetas, outros para doutores (Efé. 4:11), e assim enumera uma série de dons que devem existir na igreja para que haja o aperfeiçoamento dos santos e o evangelho possa ser pregado com poder e discernimento.

A Palavra de Deus, ao mesmo tempo que nos aconselha a busca dos dons, adverte-nos do cuidado que devemos ter, especialmente nos últimos dias, com relação aos falsos dons. O solene conselho bíblico é:

I São João 4: 1
?Amados, não deis crédito a qualquer espírito: antes provai os espíritos, se procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo afora.?

Portanto, o crente precisa estar alerta e distinguir os espíritos. Vivemos num tempo em que há muitos ?sinais e maravilhas?, por conseguinte, devemos orar e pedir a Deus sabedoria para divisar a Verdade e o erro.

Dependendo da época ou situação, certo dom pode ser mais necessário que outro. Foi o que aconteceu no Pentecostes, em que o dom de línguas foi imperioso, pois os apóstolos deveriam pregar a outros povos cujas línguas desconheciam, e isto era um obstáculo. A própria Bíblia fala que é o Espírito Santo quem distribui dons a cada um, como quer; a saber, como deseja o Agente Celestial, e não como queremos. O Espírito é quem nos usa, segundo Sua vontade, e conforme lhe apraz, para o que for útil.

Era útil, necessário e urgente que os discípulos pudessem falar em outras línguas, para difundir o evangelho. Assim sendo, Deus lhes outorgou o dom de línguas, exatamente no momento certo: No Cenáculo!

Que diremos da atuação dos dons na igreja nos dias em que vivemos? Os dons continuam a existir na igreja. Deus dá o dom a cada um, como quer. Não escolhemos o que queremos ser, mas o Senhor, segundo Sua presciência e vontade, vê em nós e ao nosso redor quais os dons necessários, na ocasião e situação em que nos encontramos, e que devem ser desenvolvidos. No entanto, é notório, na Bíblia, que nos últimos dias um dom estaria em preeminência. E qual é esse dom? Preste atenção em duas passagens do Novo Testamento.

Apocalipse 12:17
?E o dragão irou-se contra a mulher e foi fazer guerra ao resto de sua semente, os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus.?

Observe irmão, como é clara a descrição do apóstolo João ao dizer que Satanás (o dragão) irou-se contra a mulher (igreja de Deus) e foi fazer guerra ao resto de sua semente (os cristãos que através de todos os tempos, em meio a todas as circunstâncias, permanecem fiéis às doutrinas bíblicas, tais quais foram dadas ao início por Deus).

Esse restante, fiel e obediente, tem duas características singulares: guardam os Mandamentos de Deus e têm o Testemunho de Jesus. Chamo sua atenção para esta expressão: Testemunho de Jesus. Que é isso? A própria Bíblia define:

Apocalipse 19:10
?E eu lancei-me a seus pés para o adorar; mas ele disse-me: olha, não faças tal; sou teu conservo, e de teus irmãos, que têm o testemunho de Jesus; adora a Deus; porque o Testemunho de Jesus é o Espírito de Profecia.?

Glória a Deus! Aleluia! Aleluia ao grande Jeová que cuida de Sua igreja e lhe outorga o dom que hoje é o mais necessário, o mais importante: o Dom de Profecia. O próprio apóstolo Paulo reconhece que o maior de todos os dons é o de profecia, e aqui está a prova:

I Coríntios 14: 5
?Eu quero que todos faleis línguas estranhas, mas muito mais que profetizeis, porque o que profetiza é maior que o que fala línguas estranhas...?

Fica claro então que, nos últimos instantes da história terrestre, existiria um remanescente fiel, que guardaria os mandamentos de Deus e receberia o dom de profecia ? o maior de todos os dons. E porque Deus assim acha? Tenho por convicção nunca questionar o que o Senhor diz. Sempre acho que, sendo Deus o Criador, ninguém deve duvidar de Sua palavra: se Ele disse que o dom de profecia é o maior de todos, devemos aceitar sem dúvida. Este dom é maior porque ?edifica a igreja? (I Cor. 14:4); também conduz a igreja em uma perfeita unidade e por caminho seguro. O sábio Salomão dá-nos esta oportuna palavra: ?Não havendo profecia o povo se corrompe...? (Prov. 29:18). Verdade é que o povo de Deus, quando guiado por um profeta, nos tempos do Antigo Testamento, sempre se manteve fiel aos reclamos divinos, mas, tão logo morria o profeta, o povo descambava para o pecado e a idolatria. A função do profeta (que tem o Dom de Profecia) é altamente importante, sobretudo, para conduzir o povo do Senhor seguro e orientado. ?... Crede em seus profetas e sereis prosperados? (II Crôn. 20:20).
O Espírito de Profecia (o maior de todos os dons), é Deus falando por meio de um profeta para conduzir o remanescente que guarda os Dez Mandamentos, ajudando-o a passar pela grande crise final, na controvérsia do erro com a verdade, e a suportar a grande angústia, maior que a de Jacó (Dan. 12:1).

Jesus disse que, nos últimos dias iam levantar-se falsos profetas (Mat. 24:24). Então, como saberemos ser verdadeiro um profeta? Como primeiro passo, é fácil concluir onde o verdadeiro profeta surgiria. Afirma a Bíblia, inconfundivelmente, que ele se levantaria de entre o remanescente que guarda os mandamentos de Deus (Apoc. 14:12; 12:17). Em segundo lugar, há um fenômeno físico que ocorre ao profeta verdadeiro, quando arrebatado pelo Senhor para receber as mensagens transmitidas ao povo, conforme o relato de Daniel:

Daniel 10: 16, 17 e 19
?E eis que uma como semelhança dos filhos dos homens tocou os meus lábios; então abri a minha boca, e falei, e disse Àquele que estava diante de mim: Senhor meu, por causa da visão sobrevieram-me dores e não me ficou força alguma... e não ficou em mim fôlego. E disse: Não temas, homem mui desejado, paz seja contigo, anima-te, sim, anima-te. E falando Ele comigo, esforcei-me e disse: Fala, meu Senhor, porque me confortaste.?

Dentro deste panorama físico, vai-se-lhe a força natural; em seguida, uma força sobrenatural substitui a força que lhe foi tirada (Dan. 10:7 e 8).

Quando Deus dá ao profeta alguma visão, isso é feito tão solenemente que há um arrebatamento de sentido, e durante a visão ele não percebe o que se passa ao redor, ficando sua respiração paralisada. Tudo, porém, dentro de um clima calmo e reverente.

Números 24:3 e 4
?E alçou a sua parábola, e disse: Fala Balaão, filho de Beor, e fala o homem de olhos abertos: Fala àquele que ouviu os ditos de Deus, o que vê a visão do Todo-Poderoso, caindo em êxtase de olhos abertos.?

Note que este texto informa o que ocorre quando Deus dá uma visão ao profeta. É arrebatado, tendo os olhos abertos, mas alheio a tudo ao seu redor.

Finalmente, o arremate paulino:

II Coríntios 12: 2-4
?Conheço um homem em Cristo que, há catorze anos (se no corpo não sei, se fora do corpo, não sei, Deus o sabe), foi arrebatado até ao terceiro Céu. E sei que o tal homem (se no corpo, se fora do corpo, não sei, Deus o sabe), foi arrebatado ao paraíso; e ouviu palavras inefáveis, de que ao homem não é lícito falar.?

Paulo fala de sí próprio, reconhecendo ter sido arrebatado em visão do Senhor. Assim sendo, para se reconhecer o verdadeiro profeta, há caminhos seguros:

Seus sentidos são-lhe arrebatados, os olhos ficam abertos, permanece em êxtase, e sua respiração é tirada totalmente. O tempo que o profeta permanece nesse estado, é o tempo que Deus tem para lhe transmitir a mensagem.

?Durante esse tempo, o coração e o pulso continuam a bater, os olhos estão sempre abertos, parecendo fitar um objeto distante, e nunca fixos em qualquer pessoa ou coisa... Estão sempre voltados para cima. Têm expressão agradável. Não há olhar espantado ou qualquer aparência de desmaio. Pode aproximar-se de repente a mais brilhante luz, ou fingir que se atira alguma coisa dentro deles, sem que haja nunca o mais leve pestanejar ou mudança de expressão por causa disto... Enquanto está em visão, cessa todo o movimento respiratório. Nenhuma respiração escapa de suas narinas ou lábios.? ? Crede em Seus Profetas, Denton E. Rebok, págs. 123/124.

Estas são, portanto, quatro provas de autenticidade do dom de profecia (profeta verdadeiro):

Olhos abertos, ausência de fôlego, falta de força natural e, em seguida, força sobrenatural.

Assim, pois, uma forma simples de saber se o profeta foi arrebatado pelo Senhor, é só colocar um espelho diante de suas narinas, durante o tempo de seu êxtase (arrebatamento). Se acontecer de o vidro ficar embaçado pela sua respiração, há embuste.

Ser profeta não é fazer-se profeta, ou ser capaz de adivinhar o que vai acontecer ao irmão fulano ou sicrano, daqui a alguns dias, ou falar que algum irmão está em pecado, ou preconizar alguma ocorrência (dor ? doença ? conversão), sem ter tido, para tal, uma revelação específica, provinda diretamente de Deus.

Numa multidão reunida, especialmente para os ?problemáticos? como dizem as propagandas, fatalmente terão ali TODAS as doenças que o ?profeta? mencionar. Isso sem levar em conta a dolorosa fraude confirmada, dos ?auxiliares? cego, mudo, aleijado, contratados pelos ?profetas? e milagreiros. Há provas.

Existe hoje uma enorme especulação a respeito, uma ?coqueluche? de ?profetas? no meio evangélico, que mais parece espírito de adivinhação, que na Palavra de Deus é totalmente condenado. Apregoa ela:

Deuteronômio 18: 10-12
?Não achará entre ti... nem adivinhador, nem prognosticador, nem feiticeiro... Pois todo aquele que faz tal coisa é abominação ao Senhor, e por estas abominações teu Deus os lança fora de diante dEle.?

Ser profeta de Deus é ter visões, sonhos, onde o Senhor, diretamente, ou através de anjos, comunica-lhe Sua vontade e orienta Seu povo. O profeta Joel, em seu livro, capítulo 2:28, dá certeza desse fato.

Em geral, a profecia é dada visando toda a igreja, revelando coisas futuras que vão ocorrer com o povo de Deus e, em alguns casos especiais, é dada diretamente a alguma pessoa, para levá-la ao arrependimento, como foi no caso do profeta Natã com Davi (II Sam. 12).

Assim, irmão, está claro que, o maior dom, o dom mais necessário na atualidade, quando se aproxima o desfecho final do conflito entre Cristo e Satanás, a verdade e o erro, é o Dom de Profecia, porque, ele haverá de conduzir a igreja na senda da Verdade, da pureza e do amor, fazendo-a passar incólume pelo fogo do engano, abrindo os olhos dos filhos de Deus para ver todos os dardos inflamados do malígno, que se apresentam para macular a doutrina do Senhor.

Prezado irmão, creia isso e receba do Senhor Suas bênçãos profusas. Amém!