"*RÁDIO SOTELO*"

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013


AUTORIDADE ESPIRITUAL
“Porque a rebelião é como o pecado de feitiçaria, e a obstinação é como a idolatria…”(1Sm 15:23)
Deus nos chama não só para receber a Sua vida através da fé, mas para manter Sua autoridade através da submissão às pessoas que Ele mesmo estabeleceu como liderança sobre nossas vidas: Veja o que diz Romanos 13:1-7:
“Toda a alma esteja sujeita às autoridades; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as autoridades que há foram ordenadas por Deus. Por isso quem resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação. Porque os magistrados não são terror para as boas obras, mas para as más. Queres tu, pois, não temer a autoridade? Faze o bem, e terás louvor dela. Porque ela é ministro de Deus para teu bem. Mas, se fizeres o mal, teme, pois não traz debalde a espada; porque é ministro de Deus, e vingador para castigar o que faz o mal. Portanto é necessário que lhe estejais sujeitos, não somente pelo castigo, mas também pela consciência. Por esta razão também pagais tributos, porque são ministros de Deus, atendendo sempre a isto mesmo. Portanto, dai a cada um o que deveis: a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem temor, temor; a quem honra, honra.”
A igreja é um lugar onde essa obediência deve ser exercitada. Sabemos que todos os dons e ministérios exercidos na igreja são igualmente necessários e importantes no Reino de Deus, no entanto, algumas funções tem o objetivo de liderar, coordenar, orientar, organizar, ir na frente: pastores, diáconos, professores, líderes de ministério, dirigentes de grupo (Ef 4:11-12)… As pessoas que, pela graça, ocupam tais funções, tem autoridade espiritual sobre os demais. Reconhecer esta autoridade é um exercício que nos ajuda a nos submeter à autoridade de Deus.
Vejamos alguns textos bíblicos que mostram tal princípio. Leia Levítico 10:1-2: o significado do fogo estranho aqui é o de servir sem obedecer a uma autoridade. Números 12:1-5, fala do desrespeito de Arão e Miriã para com Moisés: Deus o defende, pois eles estavam falando não do homem Moisés, mas da autoridade de Moisés. Números 16, nos fala da rebelião de Coré, Datã e Abirão: eles não tinham a menor intenção de se rebelar contra Deus, mas desprezaram Moisés e Arão; o Senhor então fez com que a terra abrisse a sua boca e eles desceram vivos ao abismo… O pecado de rebelião é muito sério pois, aos olhos de Deus, aqueles que rejeitam seus servos, o rejeitam.
Quando o reino de Israel foi estabelecido, o rei Saul foi ungido por Deus. Davi, mesmo tendo a promessa de que um dia seria o rei de Israel, não antecipou os acontecimentos, antes disse: “O Senhor me guarde, de que eu estenda a mão contra o seu ungido.” (I Sm. 26:11). Davi sabia que se  estendesse as suas mãos contra Saul, estaria se rebelando não contra Saul, mas contra a unção que Deus havia dado a ele. Eis um homem que sabia realmente se posicionar debaixo da autoridade do Senhor… Leia cuidadosamente outros textos que falam sobre a seriedade deste assunto: 1Sm 15:22, Rm. 11:29, Fp 2:5-11, 1Ts 5:12-13, At 15.
Todo cristão deve ser sensível em dois pontos: com o pecado e com a autoridade. Onde quer que você vá, pergunte: “- A quem devo obedecer?” Ao tomar consciência da autoridade em sua vida, você será capaz de perceber a autoridade de Deus em toda parte. E lembre-se: rejeitar uma autoridade delegada é afrontar diretamente a Deus.
“Obedecei a vossos pastores, e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossas almas, como aqueles que hão de dar conta delas”  (Hb 13:17)
E você reconhece a autoridade espiritual de seu pastor e se submete e obedece a ele?