"*RÁDIO SOTELO*"

sábado, 5 de janeiro de 2013


TESTEMUNHO

Cartas Vivas

Estando já manifestos como carta de Cristo, produzida pelo nosso ministério, escrita não com tinta, mas pelo Espírito do Deus vivente. II Cor. 3:3.

Nos dias em que Paulo escreveu essas palavras, as cartas eram geralmente escritas sobre papiros, um material feito de um junco que crescia ao longo das margens do rio Nilo. Nossa palavra "papel" é derivada de papiro. Já vi muitas dessas cartas nos grandes museus do mundo; talvez você as tenha visto também.
O tipo do manuscrito indica que a maioria dessas cartas era escrita não pelo remetente da mensagem, mas por um escriba cuja função era justamente escrever cartas. Os escribas eram uma necessidade naquela época, porque poucas pessoas sabiam ler ou escrever. Algumas dessas epístolas são cartas comerciais; outras tratam de assuntos de vida ou morte; outras, ainda, são cartas de amor.
Quando comecei a trabalhar como aspirante ao ministério em Santa Rosa, na Califórnia, deram-me uma escrivaninha e uma velha cadeira que tinham pertencido a um antigo pastor. Davam evidências de terem sido guardadas por longo tempo e de não terem sido limpas por muitos anos.
Logo depois que a escrivaninha passou às minhas mãos, comecei a limpá-la. Puxei todas as gavetas para fora e fiquei surpreso com o que encontrei. Algumas cartas haviam caído por trás de uma das gavetas. Estavam amassadas, amareladas e traziam o carimbo do correio que confirmava sua "antiguidade".
Não tenho o hábito de ler a correspondência de outras pessoas, mas fiz uma exceção naquela vez, porque não conhecia nem o remetente nem o destinatário das cartas. Mas devo confessar que o conteúdo delas me inspirou o desejo de conhecer aquelas pessoas. Que vislumbres me deram sobre o caráter dos correspondentes!
No verso para nossa meditação, o apóstolo Paulo diz que os cristãos de Corinto eram cartas escritas por Cristo e entregues ao mundo. Nós também somos epístolas conhecidas e lidas "por todos os homens". Verso 2. Quão importante, então, é que a mensagem transmitida por nosso viver seja coerente com o que professamos.
Olhos Para os Cegos
Em todas as minhas ações eu procurava ser justo; fiz da justiça a minha roupa de todo dia. Eu servi de vista para os cegos e de perna para os aleijados. Jó 29:14 e 15 (A Bíblia Viva).

Nos dias de Jó, servir de olhos para o cego e pés para o aleijado significava conduzir o cego pela mão e transportar o aleijado de um lugar para outro. Hoje, naturalmente, podemos por vezes realizar esses atos de misericórdia através dos transplantes de órgãos.
Stacy Geotze, de Orlando, Flórida, relatou como um transplante de córnea alterou a sua vida de forma dramática.
Cinco anos antes, uma enfermidade nos olhos havia privado Stacy da visão. Estudante universitária com um futuro brilhante, o seu mundo havia mergulhado nas trevas. Até àquele momento, não lhe havia passado pela mente a idéia de fazer doação dos olhos, mas agora, se fosse para ela ver novamente, tudo dependeria de receber um transplante de córnea de alguma pessoa.
Exatamente quando tudo parecia perdido, uma família que sofrera a dor da perda de um ser querido, ofereceu o órgão e tocou a vida de Stacy. "Hoje", escreveu Stacy, "trabalho no Banco de Olhos da Flórida, em Orlando. Ajudo a levar a outras pessoas como eu o dom de enxergar." E continua:
"Embora eu jamais tenha a oportunidade de conhecer o doador ou a família que tornou possível este milagre, todas as manhãs quando desperto e vejo o sol nascendo, sorrio e penso neles. ... Muitos outros, entretanto, nunca poderão contemplar um lindo pôr-do-sol ou ver um arco-íris sem a generosidade de um doador de órgão."
Vários anos atrás, quando renovei minha carteira de motorista, apresentaram-me um formulário perguntando se eu doaria meus órgãos para o benefício de alguém. Assinei, concordando. Não me sinto obrigado a insistir para que outras pessoas façam a mesma coisa, mas acho que essa é uma oportunidade maravilhosa de ajudar o próximo.
Existe ainda outra maneira de interpretar nosso verso. Por causa do pecado, as pessoas nascem espiritualmente cegas e nós, que temos visão espiritual, temos o privilégio de oferecer-lhes esperança. Se essa oportunidade lhe aparecer hoje, leve a uma alma o gozo da iluminação espiritual, através de seu testemunho.
Testemunho Fiel
Porque terás de ser sua testemunha diante de todos os homens, das coisas que tens visto e ouvido. Atos 22:15.

O Dr. Wilbur Chapman, renomado evangelista de outros tempos, relata que, enquanto estudava para o ministério num colégio cristão, por quase dois anos morou no mesmo quarto com um rapaz que não professava o cristianismo. Tragicamente, durante aquele tempo todo, Chapman não conversou nenhuma vez com seu amigo acerca de coisas espirituais.
Ao final daquele período, tendo concluído o curso, Chapman foi despedir-se de seu companheiro de quarto. Podemos imaginar sua surpresa quando o rapaz lhe perguntou:
- Por que você nunca me convidou a tornar-me cristão?
Envergonhado, Chapman tentou justificar sua omissão dizendo que não queria impor a religião sobre alguém que não estava interessado.
- Você não sabe - disse o amigo - mas eu o escolhi como colega de quarto porque sabia que você era cristão e esperava que você me falasse acerca do que significa seguir a Cristo. Eu hesitava puxar a conversa, mas garanto que teria ficado muito feliz no dia em que você tocasse no assunto.
Chapman tentou conduzir seu amigo a Cristo nos poucos minutos que lhe restavam. Acontecimentos posteriores, entretanto, indicaram que ele não foi bem-sucedido. Disse ele: "Minha falha em testemunhar àquele amigo no tempo oportuno é um dos maiores remorsos de minha vida."
Cristo conta com os Seus seguidores no sentido de testemunharem perante aqueles que lhes são mais próximos a respeito da salvação da alma. Esse testemunho é parte da grande comissão de pregar o evangelho (ver S. Mar. 16:15). Aqueles que deixam de cumprir essa injunção podem salvar-se, mas sofrerão perdas (ver I Cor. 3:12-15).
Muito melhor será que você e eu testemunhemos fielmente a outros, para finalmente ouvirmos o Mestre dizer: "Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei: entra no gozo do teu senhor." S. Mat. 25:21.

Você Tem Medo de Testemunhar?
Não temas diante deles; porque Eu sou contigo para te livrar, diz o Senhor. Jer. 1:8.

Jeremias era "oclófobo". Tinha medo de enfrentar multidões. Assim, não é surpreendente saber que ele não queria ser profeta. Ser profeta significava testemunhar perante as pessoas. Ele alegou que era muito jovem ainda e que sofria de oclofobia.
Minha mãe me contou certa vez acerca do pior caso de medo do público que ela presenciou. Um dos requisitos de uma matéria de oratória que ela teve no colégio era apresentar uma palestra diante da classe. Quando chegou a vez de um rapaz, ele encaminhou-se todo empertigado à plataforma, aparentemente cheio de confiança própria, mas de repente entrou em pânico. Não conseguiu pronunciar uma única palavra. Ficou pálido como um cadáver e fugiu da sala de aula em total humilhação. Todos se sentiram embaraçados por ele. Então alguém gracejou: "Se o Roberto tivesse subido como desceu, ele provavelmente teria descido como subiu." Esse comentário quebrou a tensão.
Davi Livingstone, o famoso missionário-explorador na África, é lembrado por sua coragem diante do perigo. Mas você sabia que, quando jovem, ele sofria de oclofobia?
Certa ocasião, depois de ter concordado em pregar numa pequenina igreja de sua terra natal, a Escócia, ele foi tomado por um pânico tão grande que abandonou a cidade. Quando seus amigos deram falta dele, começaram a procurá-lo. Finalmente o encontraram, mas ele se recusou a voltar. Então um deles fez com que Livingstone se lembrasse da promessa de Jesus: "De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei." Heb. 13:5. Tomando para si essas palavras de confiança, Livingstone retornou e falou com um poder tão convincente, que vários dos ouvintes se converteram.
É você como Jeremias? Já deixou passar uma oportunidade de testemunhar por Cristo por causa da oclofobia? Anime-se! Aqui estão algumas coisas que você pode fazer para vencer o medo do público: (1) Prepare-se cuidadosamente; (2) alongue e relaxe os músculos várias vezes antes de enfrentar o auditório; e (3) respire profundamente algumas vezes, antes de falar.
Mas há outras duas coisas que você pode fazer e que são ainda mais importantes: (1) Envolva-se tanto no testemunho que chegue a esquecer-se de si mesmo; (2) lembre-se de que Deus promete nunca deixá-lo ou abandoná-lo. Quando você comparecer perante o público com esse estado de espírito, assim como Jeremias você não temerá "diante deles".