"*RÁDIO SOTELO*"

terça-feira, 25 de dezembro de 2012


O Atalaia de Israel 
Lição 4
“E Sabereis que Não Foi sem Motivo”
Deus Promete Julgar o Povo de Israel
(Ezequiel 12:1 - 15:8)
Mesmo com a queda de Jerusalém se aproximando, a nação de Israel continuou a se enganar,
negando o seu destino. Falsos profetas que prometeram paz e vitória apareceram em
abundância, e foram bem-recebidos pelo povo comum e pelos nobres e poderosos. O papel
de Ezequiel entre os exilados sugere que muitos que já tinham sido levados ao cativeiro ainda
acreditavam que Jerusalém fosse inviolável, e que Israel não poderia ser totalmente destruído. A
tarefa de Ezequiel, então, foi tentar persuadir o povo que Deus de fato pretendia castigar a casa
rebelde de Israel. Ele se esforçou para trazer as pessoas ao arrependimento verdadeiro para
começar o processo de reconciliação com Deus. Nestes capítulos, Ezequiel apresenta sua
mensagem de julgamento divino por meio de ensinamento direto, encenação dramática e o
simbolismo de uma parábola. Para um povo que negava a possibilidade de tal julgamento, Ezequiel
apresenta as palavras firmes do Senhor avisando sobre o castigo iminente. “Sabereis que eu sou
o SENHOR Deus” (13:9), “e sabereis que não foi sem motivo quanto fiz nela, diz o SENHOR
Deus” (14:23).
I. Deus Afirma a Iminência da Queda de Judá (12:1-28)
A. Aviso sobre a queda de Jerusalém (12:1-20)
1. As instruções de Deus para Ezequiel envolvem, como antes, o uso de uma cena
dramática para impressionar o povo com a urgência dos avisos sobre a queda de
Jerusalém (12:1-8)
a. Durante o dia, Ezequiel levou sua bagagem para a rua, agindo como se estivesse
se preparando para ir ao exílio
b. À tarde, ele cavou um buraco na parede e saiu por ele, levando a sua bagagem. A
idéia seria de uma tentativa de escapar ocultamente dos inimigos para evitar o
cativeiro
2. Quando o povo perguntasse sobre o significado da cena, Ezequiel responderia que ela
previa a tentativa fracassada do “príncipe em Jerusalém” escapar do inimigo para não
ser levado ao cativeiro (12:9-15)
a. Quando Jerusalém caiu (poucos anos depois desta profecia), o rei Zedequias
tentou fugir, de noite, da cidade (12:12; cf. Jeremias 39:4)
b. Zedequias foi capturado e deportado à Babilônia, mas o rei da Babilônia mandou
vazar os olhos dele antes de chegar à terra do exílio, conforme a profecia de
Ezequiel (12:13; cf. Jeremias 39:7)
3. No meio desta mensagem triste da queda de Jerusalém, Deus fala novamente dos
seus planos para poupar alguns que aprenderiam a lição da tragédia nacional de Israel
(12:16)
4. Deus mandou que Ezequiel vivesse mostrando a ansiedade e medo para relembrar o
povo que o julgamento chegaria em breve (12:17-20)
B. Resposta a um provérbio dos israelitas (12:21-28)
1. Parece que um provérbio se tornou popular em Israel como maneira de negar a
urgência da situação e até de negar a palavra profética do Senhor: “Prolongue-se o
tempo, e não se cumpra a profecia” (12:21-22)
2. Deus prometeu fazer cessar o provérbio, cumprindo em breve as profecias (12:23-28)
20 Estudo do Livro de Ezequiel
a. Ele disse que as profecias da destruição seriam cumpridas nos dias daquele povo
(ou seja, durante aquela geração)
b. Ele deu para Ezequiel a resposta às afirmações dos falsos profetas que alegavam
que as profecias diziam coisas do futuro distante (12:26-28): “Assim diz o
SENHOR Deus: Não será retardada nenhuma das minhas palavras; e a
palavra que falei se cumprirá, diz o SENHOR Deus” (12:28)
c. Estes avisos, transmitidos por Ezequiel, são comparáveis aos avisos de outros
profetas sobre a necessidade de ouvir com urgência a palavra do Senhor (cf. Amós
6:1-3)
II. Os Falsos Profetas e Idólatras Seriam Castigados (13:1 - 14:11)
A. Os profetas que ofereciam uma falsa esperança de paz seriam rejeitados por Deus (13:1-
16)
1. A mensagem deles veio do seu próprio coração, mas falsamente a atribuíram a Deus
(13:1-3)
a. Sempre é perigoso quando a pessoa segue seu próprio coração, seu próprio
espírito, seus próprios sentimentos (cf. Provérbios 14:12; Isaías 55:8-9; Jeremias
10:23)
b. Há uma tendência forte, nos dias atuais, de enfatizar sentimentos da própria pessoa
como a coisa mais importante em relação a Deus. Muitos desprezam ensinamento
sobre a doutrina da Bíblia e as exigências de Deus. Foi exatamente o problema que
Ezequiel enfrentou, e a mesma atitude que levava Israel à destruição
2. Os falsos profetas encorajaram o povo a se defender e a resistir o inimigo, mas eles
mesmos enfraqueceram a nação (13:4-16)
a. O efeito das falsas profecias foi a mesma de raposas entre as ruínas. Raposas
cavam túneis, que enfraqueceriam qualquer muro de defesa construído na
superfície (13:4-5)
b. As falsas profecias não vieram do Senhor (apesar das afirmações dos “profetas”)
e não seriam cumpridas (13:6)
c. Deus confronta os falsos profetas, perguntando diretamente se não tivessem
mentido (13:7). Não precisamos ouvir a resposta, pois qualquer defesa seria vã
d. Deus rejeita os falsos profetas, dizendo que não
entrariam na assembléia do povo do Senhor (13:8-
9; cf. Malaquias 3:16-18)
e. Os falsos profetas profetizaram “Paz, quando não
há paz” (13:10,16; cf. Jeremias 8:4-12).
f. O efeito foi o mesmo de chapiscar uma parede
fraca, tentando esconder os seus defeitos, ou de
fazer a caiação com cal inadequado, assim deixando
a parede desprotegida. O resultado: a parede ia cair
sob a pressão da ira de Deus (13:10-15)
g. O problema das profecias de paz naquela época
(13:16) é comparável à situação atual na qual
muitos pastores pregam doutrinas diluídas,
assegurando os ouvintes da sua salvação sem terem
cumprido os requisitos revelados por Deus.
Cuidado!
B. Deus libertaria o povo do controle de falsas profetisas e feiticeiras (13:17-23)
1. Deus dirige esta mensagem às profetisas e feiticeiras que enganavam o povo com suas
“revelações” (13:17-19)
O Atalaia de Israel 21
a. A base da crítica foi a mesma citada em referência aos falsos profetas: as profecias
vinham do coração da pessoa, e não de Deus (13:17; cf. 13:2-3)
b. Estas mulheres evidentemente se vestiam de uma maneira especial (a descrição até
nos lembra das ciganas de hoje) e usavam seus feitiços para conduzirem as
pessoas à morte (13:18)
c. Por motivos financeiros (e parece que ganhavam pouco), elas mentiam a um povo
que queria ouvir as mentiras (13:19). Os que transmitem falsas profecias hoje,
sejam cartomantes, quiromantes, clarividentes ou pastores “evangélicos”,
conseguem enganar as pessoas somente porque muitas delas gostam de ouvir as
mentiras e põem sua fé nestas falsas “revelações”, e não na verdade que Deus já
revelou nas Escrituras
2. Deus promete livrar as vítimas das mãos destas enganadoras (13:20-23)
a. Elas caçavam almas, e Deus agiria para tirar as vítimas das mãos delas (13:20-21)
b. Elas fortaleciam a mão dos perversos no seu pecado, não deixando os pecadores
saírem do erro para voltar para Deus (13:22)
c. Deus livraria o povo destas falsas visões (13:23). Como? Considere duas
possibilidades:
1) Que qualquer poder que estas feiticeiras e profetisas usavam iria cessar. Se
agissem por influência de espíritos falsos e enganadores, estes poderes
acabariam. Neste sentido, alguns interpretam Zacarias 13:2 como uma profecia
da cessação dos poderes demoníacos depois da vinda do Messias
2) Que a purificação do cativeiro e o arrependimento do povo levaria os fiéis a
confiar exclusivamente na verdade de Deus, livrando-se totalmente do poder
do engano da idolatria, da feitiçaria e dos falsos ensinos (cf. João 8:32)
C. O Senhor revela seu plano para castigar os idólatras e falsos profetas (14:1-11)
1. Alguns dos anciãos de Israel foram novamente a Ezequiel, aparentemente procurando
orientação do Senhor (14:1; cf. 8:1)
2. A palavra do Senhor referente aos anciãos foi áspera, condenando os líderes por suas
inclinações à idolatria (14:2-5)
a. Ele falou de levantar ídolos dentro do coração (14:3), mostrando o problema de
uma atitude idólatra, e não somente das práticas visíveis da idolatria (cf. Jeremias
6:19; 17:10; Mateus 5:27-28; Filipenses 4:8; Colossenses 3:1-5; Hebreus 4:12)
b. Em conseqüência desta idolatria no coração, eles não tinham direito de
aproximarem-se de Deus para interrogar (14:3). O acesso a Deus depende de um
coração puro e voltado a ele (cf. Salmo 24:3-6; 5:4-7)
c. Os idólatras que ousavam ainda chegarem a Deus seriam castigados severamente.
Os que não aprenderam pela palavra, poderiam aprender somente pelos atos de
Deus (14:4-10; cf. Isaías 26:9)
d. Deus queria que o povo se purificasse de sua idolatria para ser verdadeiramente o
povo do Senhor (14:11). Como? “Convertei-vos, e apartai-vos dos vossos
ídolos, e dai as costas a todas as vossas abominações.... para que a casa
de Israel não se desvie mais de mim, nem mais se contamine com todas
as suas transgressões. Então, diz o SENHOR Deus: Eles serão o meu povo,
e eu serei o seu Deus” (14:6,11).
III. Deus Explica a Queda de uma Nação Inútil (14:12 - 15:8)
A. Deus mostra que Israel havia se tornado uma nação inútil que não merecia a misericórdia
dele (14:12-23)
1. Deus resolveu estender a mão contra Israel para castigar o povo rebelde (14:12-13)
2. A nação não seria poupada, mesmo se três grandes homens – Noé, Daniel e Jó –
22 Estudo do Livro de Ezequiel
estivessem no meio do povo (14:14-20)
a. Este ponto é interessante no uso de três pessoas de períodos históricos diferentes
que se destacaram por sua fé em Deus, mesmo em ambientes de descrença e
infidelidade
1) Noé foi justo no meio de um mundo que Deus achou revoltante
2) Daniel, um contemporâneo de Ezequiel, já havia se destacado por sua fé em
Deus como um jovem levado ao cativeiro e confrontado com as tentações da
Babilônia
3) Jó foi considerado tão íntegro que Deus permitiu que Satanás o provasse. Os
amigos e a própria esposa, porém, não demonstraram a mesma confiança em
Deus
b. Mas a presença de homens como estes não seria suficiente para salvar a nação. A
confiança destes homens fiéis seria suficiente somente para a salvação deles. Aqui,
novamente, observamos a ênfase neste livro quanto à doutrina de responsabilidade
individual diante de Deus
3. Mesmo assim, alguns seriam poupados e consolados (14:21-23)
a. Deus traria seus castigos fortes contra Israel (14:21)
b. Alguns habitantes da terra ainda seriam levados ao cativeiro, levando seus filhos
(14:22)
c. Vendo os exilados, eles teriam o consolo de compreender o motivo de Deus para
castigar a nação (14:23)
B. Deus usa uma parábola de uma videira para reforçar a
mensagem de sua justiça no castigo de Jerusalém (15:1-8)
1. A ilustração desta parábola focaliza o valor da madeira de
plantas diferentes num bosque
2. Deus diz que a “madeira” do ramo tenro de videira é inútil
para construção ou outras aplicações (15:1-5)
a. O sarmento não tem valor como madeira (15:1-3)
b. Ele serve apenas para queimar (15:4)
c. Depois de ser queimado, fica mais inútil ainda (15:5)
3. Se Jerusalém já se mostrou inútil antes de ser destruída, seria ainda mais inútil depois
de ser queimada (15:6-8). A nação merecia o castigo. Deus não achou valor nela para
lhe dar motivo para poupá-la
Conclusão: Jerusalém foi destinada à destruição devido a sua constante rebeldia contra Deus.
A tarefa de Ezequiel foi, em boa parte, convencer o povo que Deus realmente faria o que ele falou.
O profeta encorajava os transgressores a reconhecerem os seus pecados e aprenderem as lições
dos seus erros fatais.
Perguntas
1. Descreva a cena dramática do capítulo 12. Explique o significado.
2. Como foi cumprida esta profecia na queda de Jerusalém?
O Atalaia de Israel 23
3. Nos últimos versículos do capítulo 12, Deus refutou qual provérbio popular?
4. O que Deus disse sobre os falsos profetas em referência a:
a. A fonte de suas revelações?
b. O efeito de suas profecias em relação ao destino do povo?
5. Explique o significado da ilustração da parede caiada. Há paredes caiadas deste tipo hoje?
6. Qual foi o crime das mulheres criticadas por Deus em 13:17-23?
7. No meio de tantas profecias de destruição e castigo, quais são algumas indicações do lado
positivo dos atos de Deus – os desejos e a esperança dele referente a Israel?
8. Qual foi o ponto das referências a Noé, Daniel e Jó?
9. Explique a parábola da videira e o significado dela no contexto das profecias de Ezequiel.